quarta-feira, 3 de dezembro de 2014

Quando o olhar se desvia
Os caminhos não se cruzam
Escondem-se os sentimentos
Liberta-se o pensamento
A pessoa esconde-se atrás de uma nuvem
Brancos são os gestos
Mesmo que sejam negros os pensamentos
A chuva pode ser inexistente
Mas o nevoeiro separa o olhar
Desviam-se os olhos
Tenta-se esconder o coração
Os sonhos guardados
Têm medo de ser revelados
Num simples olhar
Separam-se as águas
Surge a imensidão da aridez do deserto
Por muito que se queira esconder
Que não se queira revelar
Está tudo escrito
No olhar que não fixa
Um livro em branco
Mas repleto de palavras sem perceber
Um olhar….
Que se desvia….
Fica só…
Triste…
Espera, sem saber, um luar…

(Cris Anvago)