sexta-feira, 16 de janeiro de 2015

CORAÇÃO AFLITO

    Nas palavras que não são ditas
    Tantos silêncios que são gritos
    Emoções aprisionadas...
    Letras em labirintos
    Á espera que os lábios soltem o som
    A melodia que não chega á pessoa amada
    Que não é música e não chega a ser nada
    Poderiam transformar-se em gestos
    As palavras mudas
    Se o cérebro não congelasse
    Os braços ficaram pendurados
    E as mãos quietas
    Afinal não foram só as palavras
    O cérebro aprisionou o corpo
    O coração batia acelerado
    Gritaria se pudesse!
    Só o som do coração entoava no corpo parado…
    (Cris Anvago)