terça-feira, 13 de janeiro de 2015

FEBRE

As letras dançam
Febril o corpo que se aconchega
Faltam as palavras...

Sobra o fogo
Que se eleva acima do nada
Dançam as letras sem formarem palavras
Febris, juntam-se ao corpo que as quer acolher
Delírios no escuro infindável
Sem cor revelam-se emoções
Desagradáveis são as sensações
Tremores que não levam a lugar nenhum
Febril o corpo envolto nas palavras que se arrepiam de frio.
(Cris Anvago)