sexta-feira, 15 de maio de 2015

    Queima-me a pele
    Com o olhar que faz dançar o sol
    Nas águas eternas
    Nas ondas que se espantam
    No mar que se inventa...
    Caravela que se solta e no mar se envolve
    Tempestades, vulcões nada fazem parar
    O erotismo
    A paixão das coxas em delírio
    Queima a pele no toque que grita!
    E é verão nos corpos em movimento
    No céu que se alcança
    Nas ondas onde se descansa
    Queima-me a pele!
    Nas noites em que, depois, adormeces em mim…
    (Cris Anvago)