domingo, 12 de julho de 2015

    Tu és
    As margens do meu rio
    As ondas que não deixam o meu mar morrer
    O sal que me adoça a pele
    O mel dos meus lábios...
    O brilho nos meus olhos
    Vejo através do teu olhar
    Navego no mar com que me presenteias

    Sou botão de rosa
    Que espera a água cristalina da tua boca
    Erva daninha
    E sei que sou louca
    Mas a minha loucura sem ti
    Seria depressão na minha voz
    Deserto
    Aridez

    Sou assim
    Tal e qual como me fiz
    Mas em cada dia
    Renasço em ti
    Sou inspiração
    Dança
    Sinfonia

    E escrevo para ti
    Nas palavras que desconheço
    Componho a mais bela canção
    Não me reconheço

    Sou anjo sem asas
    Flutuo sem sair do chão
    Sou louca na realidade
    Que ultrapassa a minha imaginação
    (Cris Anvago)