quinta-feira, 2 de maio de 2013

O meu corpo desalinhado
Cansado e tranquilo
Cabelo despenteado
Onde as tuas mãos navegaram
Amo amar-te assim
Sem hora
Eu dentro de ti
Amor que demora
Dispo-me de mim
Sou calma e loucura
Rebelde 
Escaldo em ti
Em mim és febre
Lençois com o nosso cheiro
Corpos suados
Num amor que escalda
Pulsante nas veias
Onde percorre e vive
És chama
Tempestade que me atinge
Viro, reviro-te
Gemo e sorrio
Sou explosão
Sou mar
Sou rio
Odor doce na minha mão
Do teu amar
Que me põe em desalinho
(Cris Anvago)


Foto: Please share this album © C.M. Cooper
http://facebook.com/ArtPics.tv