domingo, 5 de fevereiro de 2012

Nos silêncios dos meus poemas...sonho-te...nas paragens das minhas palavras..sinto-te...és as exclamações maravilhosas..que preenchem a minha vida..as interrogações quando me surpreendes...e que acabam em agradáveis surpresas...nas vírgulas afago-te com meu olhar...os espaços dos meus poemas são preenchidos pelos teus beijos...e no meu poema..feito do nosso amor...não existe ponto final...as horas de amor são infinitas...muito além do tempo..que não existe...flutuamos..entre os espaços vazios..entre uma palavra e outra...meu amor..(Cris Anvago)