domingo, 8 de fevereiro de 2015

    Beijo-te
    Nos sonhos molhados
    Na terra inundada pelos rios
    O que é pequeno torna-se enorme
    Um riacho transborda...
    E faz-se notar
    Ninguém o olhava
    Ninguém o via
    Ao transbordar
    Inundou os olhos de quem não o percebia
    Nada é pequeno
    Nada é invisível
    Nós é que não conseguimos enxergar
    Olhamos para nós
    Esquecemo-nos do que nos rodeia
    Somos cegos e temos que acordar
    Olhar e ver
    Sentir
    Nem tudo é imensidão em nós
    Existe tanta maravilha ao nosso redor
    Basta sentir…sentir…e ver na pele…
    Arrepiar…
    (Cris Anvago)