segunda-feira, 9 de fevereiro de 2015

SOLTEI-ME DE MIM

    Na noite sonhada
    De infinitos desejos
    Morri por momentos nos teus braços...
    Sugou-me o céu
    As estrelas brilharam
    Num infinito que era meu

    Fui cavalo alado no silêncio do cosmos
    Águia de vista aguçada
    Revi o meu passado
    Vi o meu futuro
    Vivi na luz os meus medos

    Fui guerreira e venci
    De espada na mão cortei o tempo
    Desfiz os dias que não queria
    Aquela noite sofrida e vazia
    Morri nos teus braços
    Por momentos sem tempo
    Indecifrável e inexplicável

    Fui personagem que desconhecia
    Que viveu no passado
    Irá viver no presente
    Ou pura fantasia?
    No teu corpo renasci
    É novamente dia!

    Fui e sou uma eterna alma viajante e fugidia
    Um ser que voa e sobrevoa
    Na imensidão do mistério
    Serei louca ou uma sensata sem respostas?
    Sei que o meu corpo se soltou de mim e viajou…
    Por momentos fui ou serei
    A personagem que existe em mim sem eu saber…
    (Cris Anvago)