terça-feira, 3 de janeiro de 2017


Parada

Na sombra da escuridão

A lua brilha

O olhar não!

As estrelas

Escondem-se

Esperam

que alguém

lhes estenda a mão…

Penduradas no céu

vestem-se

nas noites frias

com o véu da neblina.

Parada

A sombra que não diz nada

Espera pelo sol

Para pulsar

Agitar o sangue morno

que habita

na dormência
da noite fria!


Escuridão…

a lua brilha?

NÃO!

Cris Anvago