terça-feira, 3 de janeiro de 2017


Serei muito pouco

se ignorar o muito

que existe dentro de mim!

A voz que grita

o sangue que dança

nas veias que se espreguiçam

num bailado sem fim.



A melodia cresce

e floresce nos lábios

que trauteiam a canção

repetida dias sem parar.



Sempre é preciso recomeçar!



Quando o dia amanhece

o espanto acontece

no segundo após acordar

nos lábios sedentos de mel

sempre com desejo de beijar

Um novo dia que nasce.

Abraçar os instantes

da vida que pulsa

Sem ignorar a beleza que me embala

serei muito pouco

quase nada…



Sempre é preciso recomeçar!



Não posso ignorar o grito profundo

vulcão que nasce

nem sei bem de onde

força e vontade

dar-lhe plena liberdade

para que floresça

e cresça

fora de mim!

Cris Anvago