segunda-feira, 20 de abril de 2015

    Cala-me a pele
    Com os teus beijos que são rios
    Que me transcendem de beleza
    Perfume e harmonia
    Cala-me os dedos...
    Inquietos que voam sem rumo
    Calmos na imaginação dos poros
    Treme a voz
    O gemido nasce
    Expande-se no corpo
    Todo ele é grito
    Abafado no coração
    Que pulsa sem noção
    Que tudo o que sente
    É paixão, alegria, amor
    Cala-me a pele
    Onda nos teus olhos
    Sussurra-me a alma
    Nas nuvens que passeiam
    No céu de ti
    Sou silêncio
    Fogo nas tuas veias
    Que dançam
    No ritmo do corpo que balança
    Vive! Brilha! Arrepia!
    Fogo e mar
    Sol e lua
    Amor ao luar
    Rosa que se desfolha
    Perfuma
    Inebria
    Sou suave
    Selvagem
    Guerreira
    Sensível
    Sou Tua!
    (Cris Anvago)