sábado, 25 de abril de 2015

    Escrevo os momentos na página da vida, danço nos parágrafos, beijo os silêncios.
    Penso nos dias que passam, para algumas pessoas são demasiado compridos, para mim têm poucas horas.
    Calo-me nos instantes em que percorro as madrugadas nos pensamentos errantes.
    Grito no mar que me acolhe e afaga o meu corpo.
    Pequena, pareço frágil, mas a força é grande, raízes profundas que se agarram á terra enquanto a imaginação se solta do corpo molhado....
    Acaricio os teus momentos.
    Longínquos os teus olhos dos meus, abraçados os nossos corações.
    A noite vai caminhando a passos apressados para a madrugada, o dia vai nascer, nas flores que se abrem as minhas palavras exalam o perfume na atmosfera que percorre a distância entre os nossos corpos.
    Sou tua, mesmo na distância de hoje…
    (Cris Anvago)