sábado, 3 de dezembro de 2016


Claustrofobia

 Das palavras apertadas
 entre pontuações esmagadas

 na extravagância do sentir eufórico

 onde nada pode ser tudo.

 
 Circunstâncias desafinadas
 consoantes nas cordas da voz

 guitarra alterada, magoada
 dedilhada com afinco

 na estenografia que ambiciona

 ser a melodia cavalgante!


Não passa de um grito alucinante
 de quem não sabe o que quer!

 
 No medo do amanhecer
 energia gasta

 fantasma de um sonho

 irrequietos os olhos

 seguem as palavras
 inquietos

 esquecem… os gestos!

Cris Anvago