sexta-feira, 2 de dezembro de 2016

SORRISO SEM COR


Fingimos um sorriso amarelo

Desbotado, cheio de dor

Disfarçamos a indiferença

Numa tela cinzenta

onde o cinzento é a cor

do desalento, tristeza e desarmonia

na mente não existe o dia

persiste o momento

onde nem se vive a fantasia

de uma ilha encantada

no sorriso sem sabor

não existe ilha nem paixão

murchou na flor o amor

da abelha que se perdeu na multidão

ficou sem rumo e sem destino

sem direção perdeu o néctar

da flor que lhe daria a vida

o toque a satisfação

e tudo parece negro

num jardim que não pode ser sonhado

muitos tentaram pintar o sorriso

que não podia ser desenhado

dor no rosto

solidão no olhar parado

tudo se desfaz num segundo

mesmo sem estar preparado

o corpo fica sem rumo, inerte

é necessário e urgente

o carinho, a paixão, o pecado!

ser força para ser destino

amado para ser amado!

Cris Anvago