sábado, 13 de outubro de 2012

Peguei num caderno
Escolhi as palavras mais belas e escrevi
Estavam ali todos os meus sentires
Todas as minhas emoções
O meu corpo a ferver
O meu olhar no teu
Os nossos beijos intensos
A nossa dança de amor atrevida
Palavras escolhidas num poema que rimava

Fechei o caderno
Continuei a escrever
No teu corpo suave
Palavras irrequietas
Que saíam lentamente dos meus dedos
Que te te arrepiavam
E a excitação...as exclamações...
Sol...que nos queimava
E toda a noite escrevi em ti
Vários poemas
em gemidos de prazer
Poemas que não rimavam
Vividos...Apaixonados...
Palavras...Silêncios...Suspiros...
Molhados os corpos
Num mar de poesia e prosa
Num Amar impossível de descrever em palavras
Por ser tão Mágico...
(Cris Anvago)