quinta-feira, 19 de março de 2015

NOITE SUAVE

    Gosto de sentir-te
    Na noite calma
    Onde a pele grita...
    O amor da alma
    No coração
    Que endoidece
    No beijo
    Que em ti se esquece
    Na gélida noite escura
    Calmo o teu olhar
    Que enternece
    Envergonha o luar
    Mãos insistentes
    Paixão que aquece
    Corpo que se rende
    Suspira e padece
    No esquecimento
    De um doce abraço
    Que não é nó
    Mas terno laço
    Na pele pétalas
    Das rosas vermelhas
    Perfume em nós
    Na noite o silêncio
    Arrepio na pétala que voa
    Ao toque da minha voz
    (Cris Anvago)