domingo, 1 de março de 2015

    Quando o corpo se cansa do árduo trabalho, do dia que não te deixa descansar, os problemas acumulam-se e os papéis fazem uma pilha torta, nada homogénea, nada bonita.
    O pensamento quer voar, pensar como seria se, de repente, do nada surgisse uma forma de vida mais simples, descontraída, onde tudo se resolvesse, fizesses o que gostas, sorrisses mais, amasses mais.
    Que o teu exercício não fosse só os dedos que bailam nas teclas do computador, os papéis e mails que se acumulam á... espera do teu querer e força para trabalhar.
    Cada vez o teu sorriso se desvanece mais, mas, necessário o salário que recebes, que depois achas que é tão pouco para o tanto que fazes!
    Sentes que ninguém te compreende, que és mais um número feito para trabalhar.
    Quando nasceste pensaste que tudo seria mais fácil, querias chegar á idade adulta, agora tens saudades dos teus tempos de criança.
    Seria bom se todos nós só fizéssemos só o que gostamos de fazer, sem horários e preocupações, gerir o nosso próprio tempo, fazer tudo ao nosso ritmo, seria bom…
    (Cris Anvago)