quarta-feira, 11 de setembro de 2013

Pele que ferve...poros abertos
Por onde escorre o mel do corpo
Coxas que deslizam
Nas mãos que são plumas
Arrepio nas costas
Curvadas de paixão e fantasia
Pernas que dançam
No balanço de outras pernas
Encaixe de emoções
Sussurro no ouvido...

Boca que deixa escapar
um profundo gemido
Cama que balança
Sob os corpos que se espantam
De tanto amor derramado
Mar que inunda o sonho
Lua que se alcança
Num amor que entra
Pela noite...
Quem ama
Nunca se cansa...
(Cris Anvago)