segunda-feira, 23 de setembro de 2013

Por vezes as minhas palavras
Soam-me estranhas
Como se não fossem minhas
Como se eu tivessem renascido
Todo o meu sentir se solta
Em palavras que dançam
No papel em branco
Juntam-se como se tivessem vida própria
Fazem amor
Riem...

Brincam
Esquecem-se que fazem parte de mim
Fui eu que as soltei
Fui eu que as deixei terem vida própria
Crescerem e tornarem-se belas
As palavras soltam-se
Mas fui eu que lhes dei vida
Emoção...
Sou eu
Em palavras sinceras
Labirinto de sentimentos meus
(Cris Anvago)