quarta-feira, 30 de julho de 2014

A MINHA VIDA NUMA TELA

Se a minha vida fosse uma tela
Pintaria com toda a minha loucura
O delírio da sensatez
O vício de analisar cada pormenor
A observação de quem pinta
Distorcida a realidade por mim
Num quadro abstracto
Onde cada um interpreta como sente...
Veste, sente, sonha, em cada pormenor
Vê o que outros não conseguem ver.
Assim pinto os sentimentos
A vida e os desejos
Com tintas coloridas
Que se derramam na tela
Envolvem-se
Abraçam-se
Misturam-se
Fundem-se e dão lugar a novas cores
Cores indefinidas, brilhantes, com vida!
A minha vida, o meu sentir
Derramam-se em cores vivas numa tela
E gritam nos silêncios de cada pincelada
O que sou, o que sinto!
Nua, abstracta, numa tela colorida de paixão!
(Cris Anvago)