domingo, 6 de julho de 2014

NA ETERNIDADE DE TI

Nas palavras que circulam nas minhas veias
Fervem aquelas que beijaram as tuas
Na pele profunda povoada de sereias
Que cantam nas ondas do oceano
Longínquo e libertador
Das amarras que nos prendem a imaginação
Vivo-te para além do meu sonho
Melodiosos os meus silêncios nos teus poros...
Transpirados de poesia por mim semeada
Quero-te sempre de coração inteiro e sensibilidade radiante
Para que interpretes os sinais que deixo em ti
Transbordam emoções, toques e magias
Dos meus dedos que se encontram e passeiam
Nos teus lábios aveludados de beijos
Desnudo o teu corpo
Num beijo molhado, intenso, salgado
Não percebeste e não sentes?
Sou tua hoje e eternamente!
(Cris Anvago)