domingo, 12 de outubro de 2014

    Estremeço
    Nos gritos mudos
    Corpo em alvoroço
    Sangue fervilha
    Nas veias infinitas...
    Onde o prazer incendeia
    Mamilos que se agitam
    Beijam a tua boca
    Sinto-te estremecer
    No oceano finito
    Na pele que se agita
    Nas coxas que dançam
    Sol que nasce
    Poros que despertam
    Estremeço
    Num grito fundo
    Fim que recomeça
    Loucura que surge
    Nas horas vivas
    Dos nossos momentos
    Deliciosamente insanos
    (Cris Anvago)