domingo, 12 de outubro de 2014

    Na tua pele
    A ousadia da minha mão
    Liberta para passear em ti
    Suavidade nos espaços
    Percorro sem vergonha...
    O compasso do teu corpo
    Liberto-me de tudo
    Entrego-me ao momento
    Encanto onde me deito
    Flor, brisa, calor
    Beijo que sobrevoa o poro que geme
    Na tua pele
    Vivo e amo!
    (Cris Anvago)