segunda-feira, 14 de março de 2016

As palavras não devem ficar distantes
Os corpos não devem ficar ausentes
Breves devem ser os silêncios
Os olhares devem ser brilhantes

Caladas as dores realçam os seus gritos
Pássaros em gaiolas gritam aflitos
Não percebes quando o sol desaparece?
Só descobres quando o teu corpo arrefece?

As palavras devem unir-se como pétalas
As tuas e as minhas, em sintonia
Só assim pode surgir a magia
As noites ficam completas

Surge o sol em alegria
Nasce o dia e continua a magia…
Cris Anvago