domingo, 20 de março de 2016

NÃO QUERO

Não quero ser sombra inanimada
Daquelas que se perdem na estrada
Em que o tempo corre em desalinho
Quero ser eu a definir o meu destino!

Se, qualquer pedra se atravessa
No sonho que em mim desperta
Terei habilidade para ignorar
E essa pedra sem valor
Saberei como contornar

Uma pedra não é nada
Nos sonhos que moram em mim
Sou vento que se espalha no horizonte
O mar é a minha fonte
De energia sem fim

E, se quiserem derrubar-me
Terá que ser uma tempestade
Porque a minha vontade
É maior que a verdade
Do meu sonho que desperta
As amarras não existem
Nesta mente liberta
De tabus e preconceitos
Tolero tudo, até defeitos
Das pessoas que por mim passam
Desde que não espalhem desgraça
No mundo que construí

No profundo pensamento
Onde me envolvo e elevo
Tudo é esperança e vontade
No mar espalho a realidade
Dos sonhos que permanecem
Na sombra da minha realidade

(Cris Anvago)