domingo, 13 de março de 2016

DIA DE FESTA

No apartamento de cima,
uma voz em surdida
Cantava um fado,
gritava a vizinha
porque achava que o fado
estava muito desafinado.

E o galo esganiçado
Num quintal ao longe
Grita desalmado
Acordando o miúdo
que finalmente
dormia descansado.

O bairro se agita
Fecha-se a janela
Num apartamento,
que se julgava desabitado.

E, quem trabalhou de noite
fica irritado, pelo barulho desarrumado
Que entra por todo o lado.
No seu quarto, na cama
dá voltas e grita
Que ninguém merece,
que toda a gente esquece,
que está exausto e cansado.

Ignorância dos jeitosos
Que, em fatos novos,
se preparam para a festa começar.
E, as crianças que correm
outros que jogam nos “tablets”
que os pais lhes acabaram de comprar,
para comerem descansados,
conversarem animados,
no domingo que querem descansar.

Expande-se a gargalhada
E o vinho não tem medida
Acompanha as febras
acabadas de assar
.
O bairro está em festa
E não deixa descansar
Quem de noite
Esteve a trabalhar.

Cris Anvago​