domingo, 3 de agosto de 2014

Na madrugada
Ninguém no caminho
Rua deserta de nuvens e estrelas
Noite deserta de emoções
Ninguém de passos lentos
Caminha na estrada só e fria
Nem uma alma abandonada
Só eu na estrada
Na madrugada da vida perco-me na escuridão
(Cris Anvago)