quarta-feira, 20 de agosto de 2014

Subo na montanha
Alcanço o topo
Respiração ofegante
Encontro-me
Penso-me
Revelo-me
Na paz interior
No véu que me cobre
Nos silêncios que são os meus gritos
Deixo-me levar...
Pela leveza da paisagem que me veste
Sinto o meu pensamento fluir
Escrevo
As palavras reprimidas e caladas
Mil séculos de correntes e muros
Mudam-se os destinos e as vontades
Na leveza do meu corpo
Fluem as palavras
Escorrem de mim
Desejo, paixão. amor
Toco as nuvens
Sinto o coração na mão
Aperto e afago
Deixo que ele fale por mim…
(Cris Anvago)