domingo, 16 de novembro de 2014

    Na ternura de um olhar
    O meu corpo perde-se
    No lume brando dos teus braços
    Na fogueira das coxas
    Que queimam os sentidos...
    Vem…
    Deixa-me deitar-me no teu corpo
    Dançar nos carinhos
    Envolver-te com desejo
    Incendiar-te com beijos
    No toque a dança do ventre
    E…a magia que voa a paixão que se sente…
    Na ternura de um olhar
    A respiração ofegante
    Dois corpos
    Na paixão são eternos
    (Cris Anvago)