sábado, 20 de setembro de 2014

INSÓNIA

Enrolada nas horas
Só o pensamento voa
Numa noite de insónias
Leva-nos para onde não queremos
Caímos nos minutos
Despertos pelo que não queremos
Nos lençóis amarrotados
No desassossego que nos invade
O dia nasce
Os olhos querem fechar-se...
Quando têm que se manter acordados
Não querem saber de feriados
Esquecem-se que têm que trabalhar
E o corpo sofre a quebra
De uma noite em branco
Estupidamente a nossa mente
Não sabe quando são horas de dormir ou acordar
Falta-lhe o relógio!
(Cris Anvago)