sábado, 6 de setembro de 2014

SE FOSSE POETA

Sempre te sinto
Nas palavras que escrevo
Pinto os meus sonhos
Com as cores que são nossas
Se fosse poeta
Estarias sempre presente
Em rimas perfeitas

Na imperfeição dos meus pensamentos
Que voam pelo infinito
Mesmo não tendo o dom da escrita
As palavras tremem
Pela harmonia e desalinho
Contradição e beleza
Que em mim se desfolha

Se fosse poeta
Os meus versos
Seriam ritmados
Como o bater do meu coração
Que por ti grita
Gritos surdos
Que devoram a noite
No eco do mundo
És guarida dos meus lábios
Abraços que me aninham
Os meus poros exaltados
Brilhantes e emaranhados
No entrelaçado que sou eu

Em palavras e gestos
Sou eu que te ama eternamente
Que por ti espera e ri
Afaga e acaricia
Completamente louca por ti
Sou eu meu amor
(Cris Anvago)