domingo, 1 de junho de 2014

ETERNAMENTE TUA

Desce no meu corpo
Como se fosses gotas de chuva
Os meus mamilos esperam pelos teus beijos
Os meus seios estão famintos de ti
Veste as minhas coxas de carícias
Deixa que eu sinta o céu nos teus braços
Afaga-me e ama-me
Como nunca amaste ninguém
Como se hoje fosse o último dia de nós!
Intensamente sinto-me tua
Eternamente…pertenço-te…
(Cris Anvago)