domingo, 22 de junho de 2014

PAPEL EM BRANCO

Numa folha de papel branco
As minhas palavras derramadas
Estão cheias de sentimento
Choram e riem
Em cada ponto, um final, que pode ser feliz ou doloroso
As palavras, por vezes, também dançam
Ao som da melodia do meu próprio corpo
Sentir da minha alma...
Coloco o coração nas palavras
Elas sorriem, dançam ou choram
Tudo depende de mim
Sou eu que as desenho
Na folha de papel branco
Que acolhe todo o meu sentir
Todo o meu amor
O meu viver!
Nas palavras desnudo a minha alma
Rebolo e rolo no labirinto dos pensamentos
E escrevo tudo o que passa por mim
Na pele, no coração, na mente
Cansada dos barulhos citadinos
Quero a praia, a montanha, a minha paz
Sou livre nas palavras que exalam o odor da minha pele
Selvagem…e doce…
(Cris Anvago)