segunda-feira, 9 de junho de 2014

Se vês as minhas asas podes voar nelas
Mas agarra-te bem ao meu corpo para não caíres
No espaço vazio da vida que corre sem razão

A lua pensa que está só porque ignora as estrelas

O sol aquece
Mas só lhe dão valor quando não aparece!

As nuvens são loucas quando correm
Empurradas pelo vento que se acha soberano

O grão de areia na praia parece insignificante
Mas, às vezes, irrita muita gente...

Se vês as minhas asas, pensa se é seguro voar nelas
Sente-me primeiro para embarcares numa viagem louca e sem razão
Onde não existe o infinito, nem o vento, nem o chão
Agarra-te bem ao meu corpo se sentes que sou segura

Nunca te esqueças de observar os meus pormenores
Aqueles que escondo nas entrelinhas dos olhares

Voa sem medo, as asas, são só um pequeno segredo
Se existem ou não…depressa descobrirás…
(Cris Anvago)